quarta-feira, 4 de julho de 2018

Lâmina

- o que houve com o afeto que tinhas por mim?

- cansou de se esbarrar no escudo das tuas máscaras...

- não uso máscaras.

- nunca vais admitir!

- sempre fui verdadeiro contigo.

- acreditas mesmo que és todo sagrado. Vejo que tua arrogância não te permite enxergar...

- o quê?

- teus monstros e teus demônios, as tuas ruindades, feiuras, tua face mais humana normal do mal.

- no caso és perfeito tu?

- não ousaria. Não existe perfeição. Meu todo é tão grotesco quanto sublime. Sou feio, mau, mesquinho, invejoso, orgulhoso. E quando menos espero ou desejo, sou luz. Saiba que nossa maldade também nos liberta.

- achava que tinhas amor por mim...

- muito. Amava até o teu lado negado.

- não mais?

- cansei de desfilar no teu Carnaval.
.
.
.
.
.
#writings #literature #literaturaindependente #blogcafecomleite
.
.
Foto: @perlaberwanger

terça-feira, 5 de junho de 2018

É pouco


Quando se é pouco mas se quer tudo, fica difícil escolher qual eu habitar.
Nem há de ser tão pouco, mas o tudo se faz absurdo, difícil de enquadrar.
.
.
Se na minha loucura eu for muitas outras,
Olhos, línguas, dores e sorrisos,
Do prisma preciso, vivo todas, deixo estar.
.
.
De pouca em pouco, estico minhas pernas e alargo meus braços,
Não importa o absurdo quando o tudo se quer abraçar. .
.
.
Para @perlaberwanger
.
.
.
Foto: Perla Berwanger
.
.
#mulheresqueescrevem #blogcafecomleite #writer #literatura #literatures #poems

sexta-feira, 4 de maio de 2018

Cristalina


Cristalina como no dia em que nasci.
Passos bambos e bêbados , louca pra cair.
No dia em que seria o dia de subir, sorri.
Sobe devagar, please!
.
.
Maybe deva ser assim
No passo torto se alinha o que é pra ser.
Fazer da pedra que rala o joelho o cristal rubi
Sendo assim ergui.
.
.
No dia em que era pra seguir, chorei.
Ensaio e fracasso, polindo a face e o joelho,
agonia e êxtase, transparency.
Cristal furtacor da dor do mais do mesmo.
.
.
Agora tudo shining cristal clear.
Tudo que sou está claro aqui.
Passos bambos, choro, risos e brilho.
Cristalina das faces afiadas que podem ferir.
.
.
#literarias
#cafecomleite
#writings
#literaturaindependente
#poesia
#poetry
#escritos
#escritoras

sexta-feira, 27 de abril de 2018

Eu morro

A gente vai morrendo aos pouquinhos que é  justamente pra viver o caminho.
Tem dia que a gente acorda e nem dá vontade de renascer.
Nesses dias parece até que a gente morre mais, gastando as horas sem ter pra quê.
Eu gosto mesmo é dos dias que a gente morre feliz. Gasta fôlego, suor e sorriso a pauladas e golpes afins.
Eu vou morrer devagarinho, me parindo novamente todo dia. Nascendo pra morrer vivendo.

O segredo é desviar do peso morto, não dar conversa pro malassombro e seguir  apreciando o serviço de bordo.


ana-areias.blogspot.com

#cafecomleite
#literarias
#escritorasindependentes
#writings
#writer

quarta-feira, 11 de abril de 2018

Jasmim



O cheiro da flor de jasmim depois da chuva traz uma sutil alegria durante a caminhada noturna.
Mas é que a flor está fora da caverna e não tenho certeza se posso alcançar.

Apenas o coração que acelera, se angustia, se acalma, se conforma, sente o cheiro, e volta a acelerar.
E pensa, o que estou fazendo aqui dentro sentindo o cheiro filtrado pelo medo se também habito, nos melhores momentos em que me falta o ar, o lado de lá?

Quero vê-las sem filtros, antes da corrente de ar.
Preciso ter certeza que já não são rostos mortos que estão a adornar.
Já sei que são belas e precisas, mas como aplacar?


Foto: @perlaberwanger

#cafecomleite
#literarias
#writings
#literatura

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

cruzamento

Num cruzamento, são duas avenidas, quatro cantos com suas esquinas, tantos carros e muitas vidas: umas que passam despercebidas (por quem, vai depender do ponto de vista), outras acenam com cortesia. Passa gente guiada pela rotina e nem percebe que passa e, finalmente, há aqueles que não passam, pois lá já estão. Em seus postos diários, parados em meio ao trânsito alheio.
Neste cruzamento há quatro vidas. Cada uma segurando a ponta de uma via.

Quem atravessa a rua ao som do apito de Carlos, o guarda de trânsito, não imagina que ele anseia por mais um por de sol após um dia iluminado por seqüências de verdes, amarelos e vermelhos. São trinta e cinco segundos pra uma via e trinta e cinco para a outra, subdivididos em mensagens coloridas. Já fez todo tipo de cálculo com essas seqüências e hoje consegue dividir praticamente todo tipo de atividade em unidades de trinta e cinco segundos. Ao chegar a casa, consegue tomar um banho em oito sinais, jantar em dezoito, lavar as louças em vinte e só. Para televisão não tem muita paciência; às vezes duas cervejas e três ou quatro músicas na rádio. Carlos sempre pensa que dependendo da música, lá se vão seis ou sete sinais. O guarda só não conta sinais quando está a ver o por do sol em algum lugar qualquer, mas de preferência na praia, que é onde ele mais gosta.  Mas voltando ao nosso cruzamento, quem o atravessa não imagina o quanto ele leva sério a tarefa árdua de manter os pedestres a salvo e como se irrita quando os mesmos negligenciam a faixa de travessia. Não imagina como ele se chateia com os motoristas apressados e grosseiros e como aprendera a abstrair, de alma e de coração, os olhares furiosos dos mesmos quando orientados a parar. Mas quem passa também não imagina como Carlos reabastece sua crença num mundo melhor e na beleza das pessoas quando percebe a cautela da mãe ao atravessar com a pequena ou o motorista generoso que para de bom grado ou com qualquer outro pequeno detalhe na contramão da feiúra habitual daquele cruzamento e então ele ressignifica os verdes, amarelos e vermelhos e apita feliz.

A moça virou a esquina e nem percebeu que Joaquim, o relojoeiro, depois de tantos anos desenvolvera uma incrível sensibilidade para detectar os estados de ânimo dos desconhecidos. Atender tantos clientes aflitos, impedidos de entrarem em casa depois de um longo dia de trabalho ou atrasados para um compromisso importante da empresa ou para o encontro do grande amor, o abasteceu com matéria prima em abundancia para conversas e mais conversas no bar do Afonso, que fica logo ali na outra esquina. Tudo começa com um o que houve, seguido por um e foi mesmo, e começa a sessão.  Enquanto faz a chave cópia, Joaquim conversa com seus clientes com a habilidade de um experiente terapeuta. E ele deve ser bom, pois esses seres aflitos saem, de fato, mais tranqüilos. Mérito de Joaquim ou da chave salvadora novinha em metal, eu não sei. Joaquim afirma que tem o melhor trabalho do mundo não só por desvendar os segredos daquelas chaves, mas porque realmente gosta da ideia de que com elas aquelas pessoas todas entram em seus lares, santuários preservados, universos particulares sobre os quais gosta de adivinhar os mínimos detalhes, a divisão de cômodos, objetos carregados de significado e a proteção e a paz que aquele lugar traz aos seus donos. Joaquim não tem um lar cheio de cômodos, dorme ali mesmo em sua barraca de chaves e relógios. Ao final do expediente, a barraca vira do avesso e de fora se volta para dentro. As chaves, roscas, pulseiras e relógios, expostos tal como penduricários pendentes da cobertura da barraca, encontram descanso em uma caixa abaixo da mesa de trabalho. O colchão é desenrolado e, apesar de pequeno, é bem confortável. Ainda há a pequena televisão que, exceto às sextas feiras quando o bar do Afonso é religião, é sua companheira fiel. Tal qual como faz com seus aflitos clientes, Joaquim analisa criteriosamente a personalidade de tudo quanto é personagem de novela. Vilão, mocinho, personagem secundário, todos ganham a atenção do nosso terapeuta. E ali, fechado em 4 metros quadrados, cercado pelos segredos de tantas chaves, ele encontra a segurança e conforto do seu universo particular.

Segurando a terceira ponta da cruz encontramos Mário. Tipo tranqüilo e calado, Mário conserta sapatos há pelo menos trinta anos. Sapateiro ou artesão, como prefere, é reconhecido pelo trabalho impecável, minucioso, às vezes milagroso e sempre demorado. Mário não tem pressa com as entregas e os fregueses não costumam reclamar. Talvez pela satisfação do resultado, talvez porque, na maioria das vezes, são calçados em tão péssimo estado que o que vier ou quando vier pouco importa. Mário realmente não tem pressa. Nunca vai a lugar algum. Está sempre ali, parado, pensando nos caminhos percorridos por aqueles sapatos. Gosta de imaginar que para eles, os sapatos, sua loja foi um pouso, local de descanso, parada obrigatória, freio de manutenção, para que possam finalmente seguir por caminhos que ele, Mário, nunca irá percorrer. Acontece que o sapateiro tem medo das odisséias do mundo que tanto maltratam as solas dos sapatos alheios. Prefere ficar em sua loja, curando as feridas do couro gasto, as suas e as dos sapatos, e acredita que assim cumpre bem o seu papel, já sem culpa por não ser ele mesmo cúmplice de tantos passos. Ás vezes Mário sente vontade de perguntar a seus clientes onde se dera tamanho estrago. Mas fica calado. Mário precisa guardar os caminhos imaginados seguros da realidade. Mário não espera mais nada além de mais sapatos.


Afonso vocês já conhecem. Ele segura e, de certa maneira, une as pontas desse cruzamento. Muita gente passa diariamente no bar de Afonso. Aquela mesma gente apressada que não reparou o apito de Carlos; os seres aflitos, futuros clientes de Joaquim; seres mais tranqüilos, clientes já feitos de Joaquim; os caminhos não percorridos de Mário. Os clientes de Afonso procuram coisas diferentes em seu bar. Um café apressado, uma água para refrescar, um café mais demorado com tempo pra papear sobre a notícia que passa na televisão (sim, Afonso acredita que a TV é um direito dos seus clientes), uma cerveja para aliviar o dia pesado, três ou quatro para acompanhar o segundo tempo do jogo de futebol (sempre que possível a TV está no futebol), muitas delas para chorar o amor perdido, enfim, tudo que se pode buscar num bar como o de Afonso. Afonso aprendeu a acompanhar essa rotina, com seus tipos de sempre, com uma indiferença elegante. Ele já sabe todas as falas, as queixas, as deixas, mas não importa e ninguém percebe. Talvez a previsibilidade lhe traga algum conforto. Afinal, prefere as falas adivinhadas desses estranhos à solidão do fim de expediente do bar. Um bar fechado tem sempre cara de fim de festa. Afonso se sente desolado todas as noites ao fechar o bar. Ele só espera o dia seguinte, esperança de recomeço da litania de todo dia. Apito, relógio, chave, trinta e cinco segundos, gente aflita, gente tranqüila, o futebol, as mesmas histórias de sempre, o mesmo cruzamento.

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

ghost writer

No dia em que resolvi dirigir meu sonho nem saí de casa.
Dos roteiros passados, presentes e contínuos, senti só cansaço.
Frenético lugar comum, a cena, a sequencia, o suspense.
Story board do ghost writer daquela história de sempre. Cansaço.

No dia em que resolvi recriar meu sonho me despi da encenação.
Saí do banho, deitei no chão, deixei de ser muitas pra ser mais.
O importante são os cortes. Se sobra ou falta, na dúvida, corta.
Vou escolher a melhor cena e estender sua duração. Prazer, satisfação.

No dia em que escolhi pausar o sonho virei fotografia.
Recortes da sensação. O melhor momento, exata paixão.
A pausa que economiza o que passa depressa. Minha melhor versão.