sábado, 13 de outubro de 2018

Lar


Se eu te pedir pra ficar é porque já estás lá. Já arrumei a alma e já alegrei os móveis da sala.
Quando tu chegares vou acordar o amor das coisas todas da casa.
Vou ligar os alecrins e te aquecer com o giro da vitrola.
Depois da mala desfeita repousaremos teus toques e timbres por toda parte.
Vamos cravar sonhos e delírios nos tapetes e nas paredes.
Quando fechares a porta respirarei mais lento pra não deixar teu suspiro escapar.
E quando tudo for nós, espiarei de fora a beleza de ser teu lar.
.
.
Foto: Perla Berwanger

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Jardim de lodo

Meu jardim é todo de lodo.
Relevo que cobre pedras e deita embaixo delas.
.
Meu deleite é todo musgo.
Seiva que esmalta a pele e o que toca nela.
.
Meu jardim é verde fundo, escuro e denso.
O sol que o toca suave não aquece todo o seu corpo.
.
Meu jardim não tem cores nem odores de flores, mas tem cheiro de vida se desmanchando e se alimentando de mais vida.
.
.
.
.
#writings #writer #escritos .
.
Foto: @perlaberwanger

segunda-feira, 23 de julho de 2018

Framed room

Naquela sala tinha uma janela que não sabia se me escondia ou se se amostrava com o lá de fora.
.
Eu gostava da luzinha que chegava branda, aprumava as arestas, me fazia fechar as pálpebras e me aquietar.
.
Luzes, cortinas e cineminha passando por aquela abertura. Eu assisto, platoniando o lá de fora.
.
Mas continuo enquadrada pelo frame, claro e escuro, deleite do mais bonito das coisas que param, no quadro de dentro.
.
.
.
#writings
#writer #escritoresindependentes #blogcafecomleite #recifewriter #foratemer


quarta-feira, 4 de julho de 2018

Lâmina

- o que houve com o afeto que tinhas por mim?

- cansou de se esbarrar no escudo das tuas máscaras...

- não uso máscaras.

- nunca vais admitir!

- sempre fui verdadeiro contigo.

- acreditas mesmo que és todo sagrado. Vejo que tua arrogância não te permite enxergar...

- o quê?

- teus monstros e teus demônios, as tuas ruindades, feiuras, tua face mais humana normal do mal.

- no caso és perfeito tu?

- não ousaria. Não existe perfeição. Meu todo é tão grotesco quanto sublime. Sou feio, mau, mesquinho, invejoso, orgulhoso. E quando menos espero ou desejo, sou luz. Saiba que nossa maldade também nos liberta.

- achava que tinhas amor por mim...

- muito. Amava até o teu lado negado.

- não mais?

- cansei de desfilar no teu Carnaval.
.
.
.
.
.
#writings #literature #literaturaindependente #blogcafecomleite
.
.
Foto: @perlaberwanger

terça-feira, 5 de junho de 2018

É pouco


Quando se é pouco mas se quer tudo, fica difícil escolher qual eu habitar.
Nem há de ser tão pouco, mas o tudo se faz absurdo, difícil de enquadrar.
.
.
Se na minha loucura eu for muitas outras,
Olhos, línguas, dores e sorrisos,
Do prisma preciso, vivo todas, deixo estar.
.
.
De pouca em pouco, estico minhas pernas e alargo meus braços,
Não importa o absurdo quando o tudo se quer abraçar. .
.
.
Para @perlaberwanger
.
.
.
Foto: Perla Berwanger
.
.
#mulheresqueescrevem #blogcafecomleite #writer #literatura #literatures #poems

sexta-feira, 4 de maio de 2018

Cristalina


Cristalina como no dia em que nasci.
Passos bambos e bêbados , louca pra cair.
No dia em que seria o dia de subir, sorri.
Sobe devagar, please!
.
.
Maybe deva ser assim
No passo torto se alinha o que é pra ser.
Fazer da pedra que rala o joelho o cristal rubi
Sendo assim ergui.
.
.
No dia em que era pra seguir, chorei.
Ensaio e fracasso, polindo a face e o joelho,
agonia e êxtase, transparency.
Cristal furtacor da dor do mais do mesmo.
.
.
Agora tudo shining cristal clear.
Tudo que sou está claro aqui.
Passos bambos, choro, risos e brilho.
Cristalina das faces afiadas que podem ferir.
.
.
#literarias
#cafecomleite
#writings
#literaturaindependente
#poesia
#poetry
#escritos
#escritoras

sexta-feira, 27 de abril de 2018

Eu morro

A gente vai morrendo aos pouquinhos que é  justamente pra viver o caminho.
Tem dia que a gente acorda e nem dá vontade de renascer.
Nesses dias parece até que a gente morre mais, gastando as horas sem ter pra quê.
Eu gosto mesmo é dos dias que a gente morre feliz. Gasta fôlego, suor e sorriso a pauladas e golpes afins.
Eu vou morrer devagarinho, me parindo novamente todo dia. Nascendo pra morrer vivendo.

O segredo é desviar do peso morto, não dar conversa pro malassombro e seguir  apreciando o serviço de bordo.


ana-areias.blogspot.com

#cafecomleite
#literarias
#escritorasindependentes
#writings
#writer